Por Robert DeVoe

A Criptomoeda tem um problema sério. Todos os dias, as redes como o Bitcoin e Litecoin tornam-se cada vez mais centralizadas. Minar a escala industrial que consome imensa energia meteu o poder de controlar as redes nas mãos de apenas alguns. Mineiros individuais têm de depender de pools de mining para competir, mas os pools de mining por si mesmos atuam como uma força de centralização da rede.

A centralização conduz a grandes vulnerabilidades e aumenta o risco da rede ser atacada. Minar está a tornar-se rapidamente cada vez mais um problema do que uma solução, e até pilares de longa data da comunidade estão a falar acerca disso e estão contra. Uma criptomoeda está a trabalhar arduamente para oferecer uma solução real para todos esses problemas. Esse projecto é o PIVX.

Neste artigo iremos falar acerca dos maiores riscos que enfrentam criptomoedas como o Bitcoin, e como a equipa atrás do PIVX conseguiu soluções inovativas para todas elas.

O mining de Bitcoin utiliza demasiada energia

Deve ter ouvido este argumento antes, mas o mining de Bitcoin está a consumir uma percentagem cada vez maior da energia do Mundo. As estimativas de hoje sugerem que as operações de mining estão a consumir mais eletricidade do que a Nação inteira da Dinamarca.
Isso é porque o mining de Bitcoin é conseguido correndo computadores de mining famintos por energia durante 24 horas por dia, sete dias por semana. Cada dispositivo individual, tal como o Bitmain S9 consome só por si mais de 1400W de eletricidade.

A maioria do mining hoje é feita por massivas, operações a escala industrial. Uma destinação popular para tais instalações é a Islândia. O Governo da Islândia avisou que está a utilizar recursos para alimentar a imparável procura de mais energia para as operações de mining. De facto, eles já disseram que se permitissem todos os investidores ou companias que quisessem começar tal operação, não seriam capazes de todo de manter a oferta para tal procura.
Então qual é a solução para tanto consumo de energia? PIVX não utiliza o mining de todo. Em vez disso, utiliza uma versão avançado do que é chamada de proof-of-stake. Basicamente, em vez de correr operações de mining de consumo intensivo de energia, todos podem comprar e guardar unidades de PIVX, e ganhar uma recompensa por fazê-lo. Isso é porque quando um utilizador possui PIV numa carteira online, o computador irá manter-se de forma contínua atualizado com a rede e ajudar a propagar as transações e atualizações.

Como o PIVX, os blocos ocorre a cada minuto. Em cada bloco, uma recompensa de criptomoeda é dada ao staker vencedor que venceu a tiragem ao estilo da loteria para esse bloco. Este tipo de “mining” é preferível ao estilo do Bitcoin proof-of-work mining porque não requer mais energia do que apenas deixar o computador ligado. Também não requer qualquer hardware caro (e rapidamente obsoleto).
De forma muito simples, o PIVX nunca irá ter uma crise de energia porque nunca irá precisar de qualquer energia. Estimativas colocam a necessidade de energia da rede inteira em cerca de apenas uma turbina de vento.

O espectro de Bitmain e o homem por trás

Outra localização popular para operações de mining de Bitcoin a larga escala é a China. Isso porque a maioria do hardware de mining de hoje é feito na China. Há também alguns territórios dentro do País que têm energia barata e baixos custos de infraestrutura.
A maior dessas operações é realizada pelos criadores da maioria do hardware de mining do Mundo, Bitmain. A Bitmain não apenas cria o hardware de mining que corre a grande maioria da rede, também constroem “Quintas” de mining com dezenas de milhares de máquinas.

Em resposta a isso, o co-proprietário do bitcoin.org e bitcointalk.org conhecido como Cøbra libertou um papel a falar das suas preocupações pela centralização do mining de Bitcoin, e os riscos que ele sente que o Bitmain representa. O Cøbra escreve:
“Mais e mais hashrate da rede está a começar a ficar concentrado nas mãos de um homem [Jihan Wu] e a sua companhia [Bitmain]. A segurança da nossa rede depende essencialmente deles agirem de forma honorável, e nós estarmos prontos a responder. Estão a ficar com mais poder a cada dia que passa.”
Mais á frente, Cøbra avisa das potenciais implicações políticas, dizendo: “[Bitmain é] numa posição onde o governo Chinês pode tomar posse do seu equipamento quando quiserem; algo que irão fazer de certeza de o Bitcoin cresce que chegue para lhes permitir utilizar o hashrate para os seus interesses geopolíticos chineses.”

Devido à forma como o PIVX foi desenhado, e o facto que simplesmente não necessita de milhares de computadores caros de mining para correr a sua rede, este tipo de problemas nunca pode acontecer. O modelo proof-of-stake significa que todos podem participar na rede com hardware de nível básico (Consumidor) e algumas unidade de PIV. Isso conduz a uma descentralização mais larga, e uma resistência bem maior a ataques que dependessem de um única ponto de falha.
Com o PIVX, é impossível para apenas uma pessoa ou uma companhia de dominar a rede. Isso é porque a dominação da rede iria requerer a posse de uma maioridade massiva de quase todas as unidades PIV disponíveis (cerca de 99% do abastecimento!) e isso não é realizável.

O mining de ASIC conduz à centralização

Para essas criptomoedas que têm a sorte (ou azar) de ter miners ASIC, a centralização do mining proof-of-work parece ser inevitável. Hoje, o mining de Bitcoin é feito quase exclusivamente por entidades centralizadas. Essas entidades incluem larga operações de mining, assim como pools de mining que aglomeram os recursos de muitos pequenos miners em uma única entidade de mining.

Enquanto o tópico da centralização de mining pode ser controversa para alguns, é uma verdade simples que quanto mais centralizado algo se torna, fica mais fácil de acabar com isso. Serviços centralizados são muito mais vulneráveis a ataques, tal como o clássico ataque 51% de que os experts têm avisado há anos.
A popular criptomoeda Dash está agora a enfrentar essa ameaça. De acordo com o pool de mining o operator P2Pool Mining, cerca de 50% de todos os blocos na blockchain do Dash estão a ser minados em único pool possuído pelo Bitmain. Enquanto o fornecedor do pool tem atenção com a sua linguagem, eles sugerem em termos incertos que possuir tanto mining de rede a ocorrer em um único sítio é perigoso.

No anúncio do P2Pool Mining, eles sugerem que esse problema começou a desenvolver-se pouco tempo depois do Bitmain ser criado. Os miner X11 ASICS compatíveis com o Dash foram libertados. Especificamente, o Antminer D3.

A centralização de mining pode ser um problema tão grande que algumas das criptomoedas com base no proof-of-word têm imenso cuidado em desenhar as suas redes para ser resistentes aos ASIC, ou até à prova de ASIC. Mas dado incentivo que chegue, parece provável que ASICs possam ser desenvolvidos até para moedas que supostamente são desenhadas para lhes resistir.

O Litecoin, por exemplo, for desenhado para utilizar o algoritmo Scrypt para que os ASICs Bitcoin não o pudessem minar. No entanto, o Bitmain desenvolveu um Scrypt compatível com o miner ASIC, o Antminer L3.

Quando se trata do PIVX, ele é verdadeiramente imune à interferência dos dispositivos de mining ASIC. Também é essencialmente imune a um 51%. Tal ataque no PIVX iria requerer que uma única entidade controla-se cerca de 99% da rede.

Resumindo tudo

Então o que isso significa? Criptomoedas como o Bitcoin, Litecoin, e Dash estão a enfrentar um problema de crescimento. Isto sendo, o crescimento dos custos de energia e utilização, a centralização do mining, e uma companhia que tem quase o monopólio de quase todo o hardware de mining ASIC.
O PIVX foi criado com alguns objectivos em mente. Um dos objectivos mais importantes era criar uma rede de criptomoeda que fosse massivamente distribuída, descentralizada, e consequentemente o mais seguro quanto possível face a um ataque. No último ano, a equipa PIVX adicionou ainda mais características de privacidade. Isso iguala o PIVX a outras moedas de privacidade, e de muitas formas até as ultrapassa. Não apenas isso, mas o PIVX é a única criptomoeda que hoje tem ambas características sérias e seguras, assim como o mining proof-of-stake.

2018 irá ser um grande ano para o PIVX uma vez que dezenas de novas características estão previstas de ser lançadas. Enquanto o Bitcoin e outras criptomoedas ainda estão a tentar de se compor e resolver problemas antigos, o PIVX irá avançar com muita força naquilo que será certamente uma das mais avançadas tecnologias de criptomoeda no mercado.